sexta-feira, 27 de abril de 2012

imaginário I

      O meu mundo desabou, psicologicamente, emocionalmente. Tudo passou de claro a obscuro. As coisas fugiram-me por entre os dedos, no meio de sofrimento e angústia. A força de viver desapareceu, escondeu-se na sombra que me impossibilita de ter qualquer ajuda. Eu vi, infelizmente vi tudo. Sei que na realidade tu não te importas, sei o que queres. Queres tudo o que te faça feliz, a ti, somente a ti, pois só tu interessas. De facto sou uma criança como tu dizes, porém, não o sou pelos motivos que tu mencionas. Não me julgues criança por de vez em quando precisar de chamar à atenção, por falar mais alto e ficar embaraçada em frente às pessoas, por fazer coisas que para ti e para a sociedade em geral não são correctas. Julga-me criança, por  ter gostado de ti. Julga-me criança. Julga-me criança por acreditar em ti, por dar parte fraca, sempre. Julga-me criança por dar tudo, por ti. Por justificar cada passo, cada acção, cada reacção, cada palavra. Julga-me criança! Se o sou, é por ti. Se o fui, foi por ti. Palavras para quê? Tu não entendes. Tu não sentes. Tu não ouves sequer aquilo que te digo, portanto são só meras palavras ditas por um alguém. Detém esse monstro que se aprisionou dentro de ti. Monstro tal que eu não conhecia até hoje. Não o deixes ficar com aquilo que tu eras, ou pelo menos com aquilo que me mostras-te ser, não deixes, peço-te. Sei que já não te importas com o que penso. Depois de tudo o que aconteceu, continuo a ser o que sempre fui... Sabes onde me encontrar, porém, não venhas. 
Julga-me criança. 

3 comentários :

  1. http://www.facebook.com/photo.php?fbid=386985698012676&set=a.386984771346102.92125.264167150294532&type=3&permPage=1

    Passei à segunda fase, desta vez ajuda-me a ganhar! Mete gosto e divulga por favor! Muito obrigada:)

    ResponderEliminar
  2. força querida. sigo*
    segues de volta?

    ResponderEliminar
  3. desculpa, mas o texto pareceu.me tão real que não liguei ao título :x
    obrigada querida

    ResponderEliminar