sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Não faço a mínima ideia do que dizer ou do que falar só sei que devo ser parva por fazer isto. Depois vem dizer que não te dou importância ou reclamar que são só três linhas... Repito o que escrevi, gosto de ti como irmão e isso não muda nunca. Não digo nada disto para parecer querido ou bonito da minha parte, digo-o por ser verdade. Quero lá saber se não deres importância ao que escrevi, quero lá saber se ao reponderes de uma maneira parva me deixas triste, achas que me importo? Não é que goste, mas também não me vou lamentar por isso, porque apesar de tudo, não sou coitadinha nenhuma e posso muito bem sofrer como uma pessoa normal. Claro que ficaria mais feliz se a tua simpatia fosse constante tal como a minha é para ti, mas cada um tem a sua maneira de ser e não sou eu que vou mudar a tua. Com o tempo consegui entender minimamente a tua personalidade e perceber que por vezes mais vale a pena não dizer nada. Contudo, tenho saudades dos tempos em que ambos tínhamos algo para dizer um ao outro e tenho saudades de quando passava-mos dias a falar, mesmo que a conversa não tivesse grande sentido. Olha, tenho saudades daqueles passeios que demos algumas vezes, lembras-te? :') Eu gostava. Falávamos de tanta coisa. Se nunca te disse, então digo agora.. Sempre que ia ter contigo, sentia aquela sensação de estar super nervosa e ficava como se fosse a primeira vez que estava contigo. Porém, quando me davas a mão e deixavas que o destino nos levasse para algum caminho, sentia-me a pessoa mais calma do mundo. Sentia que estava segura e principalmente não queria que o momento acabasse. Passava imenso tempo e eu nem dava por nada. Era muito mágico, mas muito real. Lembro-me de quando me deste a estrela. Ainda é minha, sabias? Lembro-me do dia dos teus anos... Quando esperas-te por mim no portão da escola para te entregar a prenda. Deste-me um abraço, não me esqueci. No baile de gala emprestas-te-me o teu casaco quando cheguei, foi fofinho da tua parte. Estives-te sempre comigo, não me deixas-te sozinha, gostei que o fizesses. Dito isto, podia começar também a dizer coisas que não gostei que fizesses, mas não o vou fazer. Porquê? Pela simples razão de a minha personalidade não o permitir. Não sou assim tão estúpida para chegar ao ponto de dizer mal de uma pessoa só porque algo não resultou bem. Se não resultou foi por culpa dos dois e não por culpa de apenas um, portanto teria de me criticar a mim primeiro e só depois poderia criticar alguém. Tenho saudades tuas. Bolas, quando o digo parece uma coisa banal, mas quando penso no assunto vejo que é muito mais que isso, é uma coisa que me tira uma certa percentagem de felicidade a cada dia que passa. Eu faço para parecer bem quanto a isto e quanto à falta que me fazes, porem também sou humana e tenho sentimentos, não consigo fingir a toda a hora, tenho recaídas. Por vezes choro sem saber ao certo o motivo. Lembro-me de tudo o que me aconteceu nos últimos tempos e no meio de tantos acontecimentos existe um espaço ocupado por ti, que apesar de me fazer chorar devido ás saudades, faz-me ficar feliz, pois partilhei contigo óptimos momentos. Quero ter a certeza de que se precisar de alguma coisa, estarás cá para apoiar. Quero ter a certeza de que não te vais esquecer de mim. Quero ter a certeza que fiz minimamente parte da tua vida e que fui importante. Não preciso que me continues a dizer coisas fofinhas, nem que me digas que sou importante e assim. Preciso sim, de saber se tudo o que dizias era realmente sincero e se fui mesmo importante na tua vida. Claro que gostaria que outras coisas mudassem ou acontecessem, mas se me disseres essas duas coisas já fico minimamente feliz. Sabias que quando nos começámos a dar e assim, havia imensa gente a dizer-me coisas do tipo "gostas dele" e eu negava sempre tudo, dizia que não, que eras apenas um amigo e que não gostava de ti de mais forma nenhuma. Agora vejo que estava com medo de gostar de alguém, e que por isso é que negava o facto de falar de ti com uma certa admiração, de ficar contente com simples mensagens tuas... Todos viam menos eu. Até que decidi parar e admitir que aquilo que sentia por ti não era só admiração nem amizade, era mais que tudo isso, era sentimento puro e do mais verdadeiro que possa existir. Sempre preocupada contigo, sempre a pensar nas palavras certas, sempre a procurar momentos certos. Olhando para trás, faria tudo da mesma forma. Não me arrependo de nada. Foste um passado, mas mais importante que isso é que és um presente. Pronto, acho que já percebeste o que aquelas três linhas queriam dizer. Achas pouco? Tens as tuas cinquenta linhas portanto não te esqueças que gosto muito de ti, se não nem sequer me tinha dado ao trabalho de fazer isto. Acho que vou comprar uma camisola da chupa-chups finalmente, não é interessante? Deve ser. Porém não há como a que tu tens. Gosto mais da tua, mas pronto. Lembrei-me agora de quando dava-mos as mãos dentro do bolso da camisola, por causa do frio, ahah era fofinho *w* Memórias que estão todas guardadas, uma a uma, e que não tenciono esquecer. Sentes-te importante agora? Sentes mesmo?Espero que sintas, pois és mesmo.
Amo-te estúpido ♥

Sem comentários :

Enviar um comentário